Buscar
  • Ana Thomaz

Verticalidade é máquina de transmutação!

Uma das características dos seres humanos é a verticalidade física.


Isso é possível por conta da relação da cabeça/coluna/gravidade e pela complexidade cognitiva, além de algo ainda misterioso para nossa percepção e que alguns chamam de pulsão ou desejo de vida.


A horizontalidade é o campo das relações, o encontro com o outro, através da fala, da escuta, da visão, do toque, da degustação, do olfato.


A autopoise humana (criação continua em relação) se da através da composição vertical/horizontal.


A sustentação se da pela verticalidade através das estruturas físicas, dos chackras, da interiorização...e as relações acontecem na horizontalidade, através dos sentidos, exteriorizando no tempo e espaço.


Quem não se sustenta, não se suporta, tornando-se insustentável e insuportável.

Quem não se relaciona, se perde em/de si.


A verticalização transborda horizontalidade e o horizonte alimenta a verticalidade.


Essa é a potência da interdependência, da dependência-relacional, a dança entre os planos.


Sustentar-se é permitir verticalizar toda experiência horizontal, é viver em si a experiência, é ser atravessado pelo encontro, é ser singular em relação, é se misturar e atualizar.


Tudo que nos afeta, emoções, ações, pensamentos, é alimento que atravessa o corpo, que provoca movimento, que desperta, seja a fera ou a bela, ativa os chackras, conecta céu e terra, transmutando a reação em ação criadora, e transbordando seus efeitos.


Transbordar é dar e seguir tendo.


Apropriar-se, tomar para si, espelhar, é entregar para a verticalidade as projeções que fazemos no horizonte.


Quando estamos em uma relação de ataque/defesa, ou quando reagimos a uma provocação, ou estamos buscando reconhecimento, ou especulando, ou compramos uma briga, ou desabafamos ou vomitamos aquilo que não digerimos, ou quando perdemos a cabeça, estamos somente no plano horizontal.


Para verticalizar entregamos a provocação para a expansão do corpo, da cabeça ao final da coluna, incluindo todos os membros. Assim é ativada a maquina de transmutação, tudo vira alimento, fortalece, expande, potencializa.


Nossos sentidos projetam no horizonte o filme dos nossos pensamentos, emoções e ações. A verticalização transmuta o filme e uma nova projeção acontece.


Talvez esse assunto pareça complicado mas se torna simples quando experienciamos essa dança dos planos na pratica.


Esse é o tema de contenção do nosso encontro "Entre Presencial", encontrar o outro na presença, transbordar e potencializar a criação.


"Entre Presencial" no M.u.d.a. em Piracaia

de 9 a 12 de abril (semana santa)

para mais informações e reservar sua vaga escreva para anavidaativa@gmail.com


259 visualizações

Receba atualizações dos acontecimentos, vivências e experimentações do M.u.d.a.